Perfil Empresa

Por Tomaz de Aquino

Quem já leu Aristóteles, particularmente, “O Mito da Caverna” e quem depois estudou na psicologia os temas da Gestalt ou boa forma e também o behaviorismo e o freudainismo vai ter mais facilidade em entender o porquê do ser humano ser esta massa indecisa, confusa, complexa e muitas ingrata.

Começa pela necessidade de luz, que muitos confundem simplesmente com clareza, mas que na verdade está relacionada a conhecimento. Sair da caverna, isto é das trevas e ir para o lado de fora, ou seja um lugar iluminado, não é apenas sair do escuro para o claro. É, ante de tudo, adquirir conhecimento.

A Bíblia diz: O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, obedecer aos seus mandamentos é o adquirir conhecimento. Logo o termo conhecimento está intimamente ligado ao tipo de relacionamento que desenvolvemos com nossos semelhantes. Estamos numa grande sementeira e tudo o que plantarmos, também colheremos.

Como toda autoridade emana de Deus e em seu nome será exercida, devemos ter claro que todos aqueles que chegam ao poder,só chegam porque foi permissão de Deus. Se lá no poder eles esquecem do princípio da sabedoria que é o temor do senhor e que está relacionado a outras atitudes como amar ao próximo, perdoar, não guardar rancor e passam a agir como se fossem donos da verdade, como se conhecessem a árvore do “bem e do mal”, então terão muitas dificuldades e sofrerão as conseqüências de seus atos.

Sendo assim fica fácil entender porque tantos poderosos caem. Fica fácil compreender porque outros nunca ganham. Dá para saber porque alguns são mais privilegiados do que outros. Tudo por conta do coração de cada um. Achar que Deus é injusto porque uma pessoa considerada ruim chega a um determinado posto é não entender os seus propósitos, pois ele diz claramente que o ímpio foi feito para o dia da calamidade.

Portanto, não nos preocupemos em guardar ressentimentos em nosso coração. Porque o ódio resseca até os ossos. Quando começarmos a perdoar de verdade, sem falsidade, sem interesses, teremos dado o primeiro passo em direção à sabedoria.

Joaquim Francisco disse uma vez: “Em todas as profissões você ver homens felizes! menos na política”. Então está na hora de começarmos a mudar esta situação e iniciarmos um novo processo de se fazer política, baseado em propostas, em atitudes que impliquem na mehoria da qualidade de vida da população.

Sair da caverna é ver o outro como a nós mesmos. Com defeitos, com virtudes, mas acima de tudo com amor. Entendendo que cada um busca o seu próprio entendimento de “boa forma” e os seus próprios reforços positivos, como ganhar um chocolate do “Big Bang Theory”.

A todos uma boa eleição.

Errata: O Mito de Caverna é de autoria de Platão de quem Aristóteles era discípulo como bem nos lembra o professor Ricardo Vieira.

Leia na coluna Meio ambiente o artigo de Eliezer Andrade Santos sobre a Rio + 20.

Termina amanhã, dia 22, a conferência que trata de sustentabilidade, ou seja, tudo o que contribui para a melhora do meio ambiente no planeta. As críticas são muitas, mas os líderes de cada país não alteram o documento final da Rio+20. Os cientistas devem sair de pastas cheias de informações que servirão de comentários futuros.  O Secretário Geral da ONU, reconhece o fracasso das negociações como falta de ambição e o Embaixador brasileiro Luiz Alberto qualifica de incoerência exigir ambição sem colocar dinheiro sobre a mesa.  Muita discussão e pouca solução.  Conclusão:  terminará em farta mesa ao som de muito samba.

Hoje, enquanto tomava meu café, ouvia o meu velho TV 14” (até gostaria que fosse preto e branco), certo jornalista afirmava que os objetivos da conferência eram acabar com a miséria e fortalecer o desenvolvimento sustentável. Achei esquisito acabar com a miséria ou erradicar a pobreza porque a miséria aparece onde há sinais de pobreza.  Pelo menos acredito numa forma de minimizar a miséria. Por que?  Porque o verbo “erradicar” significa desarraigar, extinguir, arrancar pela raiz.  Lembrei, então, de um relato bíblico que fala de uma tal Maria, irmã de Lázaro, quando ungiu os pés de Jesus com um bálsamo precioso e caríssimo. Vendo aquilo, Judas Iscariotes disse: “Por que não se vendeu este perfume por trezentos denários e não se deu aos pobres?”   Sugestão com sentido lógico-racional, mas  Jesus lhe respondeu: “Deixa-a!… Porque os pobres, sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes”.  Não creio que Jesus estava querendo o sofrimento permanente da pobreza, mas esperava que o gênero humano não tivesse um coração endurecido, mão fechada, pensamento vil e espírito individualista e se ajudasse entre si, porque ninguém é dono de nada na terra.  Apenas administrador.

A verdade é que em todo o Brasil, milhares de pessoas vivem sobre os lixões.  A falta de vontade política está erradicando os pobres e não a pobreza, porque não há interesse num processo justo para redução das desigualdades.

A abertura desordenada com a expansão imobiliária e suas facilidades de crédito para aquisição de automóveis, móveis, eletrodomésticos, viagens etc, aparentemente se torna fator de crescimento  porque cresce o desejo de ter, mas ninguém atenta para o número de inadimplência.  O consumo aumenta, mas a população fica enforcada com dívidas impagáveis tornando-se mais pobre. Simplesmente o Brasil está seguindo os passos da Espanha que hoje se encontra em completa crise.

Esta será a grande eleição de Bruno Martiniano, a sua grande chance, a hora e a vez dele se tornar prefeito de Gravatá. mas para isso vai ter que vencer seus 14 desafios .

1º – O da humildade. É verdade que ele mudou e isso teve um peso grande no seu crescimento. Tanto é assim que foi ao escritório de Luiz Prequé, o que ninguém jamais imaginaria.

2º – O da soma. A ampliação da aliança de Bruno Martiniano só aconteceu porque Ozano Brito desistiu de disputar a eleição, caso contrário o PSD e os partidos aliados de ozano Brito naõ estariam com Bruno.

3º – O de aparar as arestas e não achar que as pessoas são descartáveis como foi o caso de Charles Souza do Atacadão que agora está neutro e não é mais procurado por ele. Charles não vai apoiar nem Bruno e nem Joaquim.

4º – O da disputa contra o arqui inimigo Joaquim Neto. Nesta eleição Joaquim Neto pede voto para ele mesmo e não para um terceiro. É bem mais difícil transferir votos do que obter votos para sí mesmo.

5º – O da aliança. A administração dos vários interesses não vai ser uma tarefa fácil e vai precisar de muito sangue frio.

6º – Pela primeira vez vai enfrentar mais de um candidato. Joaquim, Charles, Sheila e o do PP, que querendo ou não tira votos importantes.

7º – Superar a imagem de que perde sempre. Foram quatro derrotas para Joaquim Neto:

8º – Perdeu para prefeito em 2004.

9º – Perdeu para deputado em 2006.

10º – Perdeu para prefeito em 2008.

11º – Perdeu para deputado em 2010.

12º – Saber ouvir. Bruno dificilmente escuta alguém. É uma característica de sua personalidade. Está mudando, segundo alguns.

13º – Controlar-se. Bruno Martiniano é jovem, ousado e como tal é explosivo. Quem não lembra da última campanha, onde aconteceu um problema negativo com uma eleitora, que segundo alguns foi agredida pelo candidato petebista.

14º – Respeitar compromissos. Ele marca e não vai. Não considera quem fica esperando. Acha que as pessoas que estavam com um candidato e resolvem ficar com ele não merecem um tratamento igual aos que sempre estiveram com ele.

“Bem aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento.”  Provérbios 3: 13

Serão duas chapas. Na primeira o PSDB, PHS e PDT e na segunda PMDB, PSL, PRTB, PPL, PNM e DEM. Com estas duas coligações proporcionais Joaquim Neto espera eleger uma boa bancada de vereadores e assim arregimentar forças para fazer uma boa gestão, caso saia vitorioso das urnas.

Despontam nestas duas chapas João Paulo, atual vice prefeito na primeira coligação e Cecé na segunda. Outros candidatos vão trabalhar para chegarem juntos com ele como Lucas Leal, PHS e Léo do Ar PSDB.

Esta vai ser uma boa disputa.

Até o dia 5  de julho, prazo final para apresentação das atas dos partidos para as eleições de 2012, algumas mudanças ainda poderão ocorrer.

Uma delas é o lançamento de uma chapa majoritária Prefeito e Vice do Partido Progressista de Marcone Bezerra.

Com dezessete candidatos a vereador: Nando dos esportes, Giovane da água  mineral, Felipe de Recife, Adeildo Vigilante, Pudim, Ednaldo fotógrafo, Jonas da Natural da Vaca, Ciro mototaxista, Amaro Bocão, Marcela Motos, Sônia, Irmão do Gás, Carlinhos de Amaro João, Adeildo do Posto, Val do ônibus, Everaldo da maçã e Anderson da cabeça de boi,  dos quais 13 estão com Bruno Martiniano e 5 com Joaquim Neto, o partido não pode decidir pelo apoio a um ou outro candidato. Entretanto, poderia se coligar com o PSC de Charles, indicar o vice e fazer uma proporcional com os dois partidos.

Como os candidatos do PP acham que vão eleger dois ou mais vereadores sozinhos, preferem sair isolados e assim garantir representação na Câmara. Ou seja, o apoio que agora não vai ser de Bruno nem de Joaquim, depois da eleição dependendo de quem ganhe do PP, um deles será apoiado, caso seja o vencedor para prefeito.

O Partido Republicano de Charles Souza e Arnaldo Souza vai para a coligação de Joaquim Neto por determinação do deputado federal Inocêncio Oliveira.

Isto gerou uma crise no partido em Gravatá tendo em vista que havia um compromisso de irem para Bruno Martiniano uma vez que Charles Souza seria o vice do candidato petebista e isso foi acertado co o deputado federal e presidente estadual da legenda Inocêncio oliveira.

Com a escolha de Bruno Martiniano de Rafael Prequé para ocupar a vaga de vice, isto causou enorme transtorno nos planos de Arnaldo Souza que é o presidente da legenda republicana em Gravatá e de Charles Souza que é o vice presidente.

Com essa decisão do deputado federal Inocêncio Oliveira de levar o partido para o ninho tucano é preciso saber qual será a opinião dos pré-candidatos a vereador do partido. Já estavam inscritos e aceitavam uma aliança com Bruno Martiniano os seguintes pré-candidatos; Valéria do CDL, Valdinho Tricolor, Rafael do Supermercado, Pedro Paulo, Heleno Mototaxi e Maria Nete.

Agora o processo volta a estaca zero e é preciso rediscutir com quem os pré-candidatos a vereador querem ficar, se com Bruno Martiniano ou com Joaquim Neto o que vai acontecer ainda hoje, depois da reunião de Arnaldo Souza com os pré-candidatos.

Porém, independente de qualquer decisão que venha a ser tomada uma coisa certa Charles Souza ou Charles do Atacadão já decidiu: vai ficar neutro. Não apóia mais Bruno Martiniano e para Joaquim Neto não vai de jeito nenhum.

No que diz respeito a posição de Arnaldo Souza é possível que também fique neutro e entregue a Joaquim Neto apenas a legenda do PR, sem presidente, sem vice e sem candidatos a vereador. Uma coisa meramente cartorial para que Joaquim Neto possa nomear uma nova comissão provisória para o partido em Gravatá.

Este é o triste retrato em preto e branco do PR de Gravatá, vítima de uma política que não privilegia a palavra dada. Que faz uso de acordos nas caladas da noite e que faz o pior tipo de política que possa existir.

Hoje, 02 de julho, será de fato o retorno do prefeito Ozano Brito à prefeitura de Gravatá.

Passadas as comemorações do período junino a vida do gravataense volta à normalidade, a sua rotina. Evidente que neste ano, particularmente, teremos a eleição e isto vai mexer com a vida do município, cujo povo é literalmente “doido” por política.

É provável que Ozano Brito não se envolva de forma direta na campanha, como fez Aluízio Lorena no ano de 2000, que aparentemente ficou neutro, mas nos bastidores apoiou as candidaturas de Luiz Prequé e de Arão Lins.

No processo atual Ozano Brito está apoiando a candidatura de Bruno Martiniano que é o seu preferido para ocupar a prefeitura a partir de janeiro de 2013. Entretanto, a preocupação maior de Ozano Brito vai ser com a gestão, com a conclusão de seu mandato.

Problemas urgentes continuam a afligir a população: falta de moradia, falta de saneamento, de transporte escolar, de uma saúde melhor equipada, de infra estrutura básica como estradas e acessos, pavimentação, etc., Ozano terá a oportunidade de entregar ao seu sucessor uma prefeitura enxuta com projetos executivos bem definidos.

Como ele disse várias vezes que poderia sair como mau administrador, mas não sairia como mau caráter, então ele vai continuar com a mesma postura que adotou desde o início da gestão: responsabilidade, transparência, honestidade, mas acima de tudo respeito as pessoas.

Esta foi a grande marca dessa gestão.

Muita gente ficou se questionando porque Joaquim Neto trouxe de volta Danilo Melo que estava com Ozano Brito para o seu palanque como candidato a vice na sua chapa.

A resposta é simples: Danilo Melo foi o seu vice durante quatro anos, numa eleição que foi vitoriosa a de 2004 e este efeito psicológico é que influenciou na escolha do peemedebista para a composição da chapa tucana.

Além disso Joaquim Neto ficou enfraquecido com o apoio de Eduardo Campos a Bruno Martiniano e então Joaquim Neto vislumbrou uma oportunidade de impedir a vinda de Eduardo Campos a Gravatá para pedir votos para Bruno Martiniano e Rafael Prequé ficando do lado do mais novo aliado de Eduardo Campos – o PMDB – ou seja, Jarbas Vasconcelos e Raul Henry.

Joaquim Neto que não teve espaço do grupo do governador busca agora uma reaproximação com seus antigos aliados: Jarbas, Dorany e companhia, com o objetivo de dificultar o apoio declarado de Eduardo a campanha petebista. Isto significa que tem arranhões na relação Joaquim Neto – Sérgio Guerra, pois Sérgio Guerra quer ver tudo, menos Jarbas Vasconcelos ao lado de Joaquim Neto em Gravatá.

Assim Joaquim Neto consegue um senador (Jarbas) para se contrapor a Armando Monteiro que recebeu apoio de Joaquim Neto. O apoio de Joaquim Neto a Armando foi um tiro que saiu pela culatra.

Vamos ver se essa articulação dá certo e se Jarbas e Raul vão conseguir impedir Eduardo campos de apoiar abertamente Bruno Martiniano e Rafael Prequé.

Esta sem dúvida será a eleição mais difícil da vida de Joaquim Neto e ele terá que enfrentar 14 obstáculos.

Em primeiro lugar porque volta a enfrentar um adversário que já é por demais conhecido (Bruno Martiniano) a quem já derrotou por mais de uma vez. Todos sabemos quem em política “A Fila anda”. Há fadiga de material e o povo resolve mudar.

Em segundo lugar porque ele está sem a prefeitura.

Em terceiro lugar ele não conseguiu o apoio do governador Eduardo Campos (PSB) para o seu palanque e só ficou com Ana Pontual do PSB, porque o restante Fernando Resende e os Prequés foram para Bruno Martiniano e colocaram Rafael Prequé na vice.

Em quarto lugar já público e notório o apoio de Ozano Brito a campanha de Bruno Martiniano com a ida de todos os seus aliados para o palanque petebista. Foram todos: vereadores, suplentes e pré-candidatos do PCdoB, PTdoB, PTN, PTC, PT, PSD, PPS para a chapa Bruno e Rafael. A única exceção ficou por conta do PMDB e do PDT.

Em quinto lugar perdeu um apoio importante e significativo que foi o de Júnior de Paulo (PRP) que optou por lança a sua esposa como candidata a prefeita de Gravatá. Todos sabemos da força do presidente da Câmara e do trabalho que ele vai dar nessa campanha. Ainda não podemos afirmar de quem ele vai tirar mais votos se de Joaquim Neto ou de Bruno Martiniano.

Em sexto lugar não evitou o lançamento da candidatura de Charles da Madeireira com uma negociação que passava pela vaga de vice da sua chapa.

Em sétimo lugar vai fazer emergir todas as insatisfações das pessoas que não foram atendidas por ele quando prefeito, o que é natural, porque ninguém agrada a todo mundo, mas tem uns que são mais agradados do que outros.

Em oitavo lugar perde e muito na quantidade de candidatos ao pleito proporcional de 2012, bem diferente de 2004 quando era prefeito e de 2008 quando lançou o seu sucessor Ozano Brito que agora apóia Bruno Martiniano, mesmo que não seja de forma aberta.

Em nono lugar porque a única eleição que Joaquim Neto ganhou foi quando disputou a reeleição como prefeito, com a máquina administrativa na mão e com o governo do estado que era Jarbas Vasconcelos.

Em décimo lugar porque quando lançou Ozano Brito em 2008, o PTB e o PSB estavam brigados e isso impediu uma campanha com mais força do que teve, em função da divisão entre Prequé e Bruno que agora estão juntos.

Em décimo primeiro lugar porque Alberto Feitosa não trouxe o PR para o seu palanque e nem impediu o governador Eduardo Campos de se envolver na campanha de Gravatá permitindo o lançamento do vice do PSB na chapa de Bruno Martiniano.

Em décimo segundo lugar porque de nada adiantou o apoio que Joaquim Neto deu a Eduardo Campos para governador, se afastando da sua base tradicional: o PMDB, o DEM e entrando numa aventura que em nada resultou.

Em décimo terceiro lugar e do mesmo jeito que não deu em nada o seu apoio a Eduardo Campos, em nada deu também o seu apoio a Armando Monteiro Neto para senador. De que serviu? Não impediu do senado entrar pesado na campanha de Bruno Martiniano e colocar a máquina do PTB à disposição de Bruno Martiniano, contratando agência de propaganda, jornalista, marqueteiro, tudo para ajudar Bruno a conquistar a prefeitura de Gravatá.

Em décimo quarto lugar, não existe campanha sem financiadores e esta campanha de Gravatá vai ser a mais cara da sua história. Quem quiser ser candidato a prefeito com alguma chance de ver o seu nome crescer, vai ter que botar uma boa verba para fora: no mínimo R$ 2 milhões, isto só para arriscar.

Com certeza será o grande desafio de sua vida vencer contra tudo e contra todos. Vencendo será a sua consagração como o maior líder político da história de Gravatá em todos os tempos. Perdendo resvalará para a vala dos políticos comuns que só ganham quando estão com o poder na mão.

Portanto, são 14, pontos que Joaquim Neto terá que superar para poder mais uma vez dirigir os destinos dos gravataenses, isto é,  ou o Tucano come o Gato de uma vez,  ou o Gato vai arrancar as penas do Tucano uma por uma durante quatro anos.

A Vice e mais três secretarias

Dizem que a negociação de Júnior de Paulo PRP com Joaquim Neto PSDB não deu certo por que Joaquim Neto não aceitou o pedido de Júnior de Paulo que foi: a vice prefeitura para colocar sua esposa Sheila Cartaxo e mais três secretarias. Alguns aliados de Joaquim Neto estão muito chateados porque queriam que Joaquim Neto cedesse, pois temem a força de Júnior de Paulo na eleição.

PDT insatisfeito

Se for verdade que o prefeito Ozano Brito está influenciando a adesão de aliados seus, inclusive do PSD para comporem com Bruno Martiniano, isto vai gerar insatisfações na legenda pedetista, pois os seus líderes procuraram Ozano Brito quando ele desistiu de ser candidato e ele deu a palavra dele de que não interviria na escolha de ninguém, ou seja, todos estariam liberados para tomarem a decisão que melhor lhes conviesse. Poderiam apoiar qualquer candidato.

Entretanto, segundo pessoas que participaram das reuniões do PSD, não foi isso o que o prefeito fez e informaram que o prefeito indiretamente mostrava a sua preferência por Bruno Martiniano, facilitando a adesão de vereadores de seu partido ao candidato petebista. Como exemplo cita o vereador Agostinho que nem queria Bruno e nem Joaquim Neto e já apoiava Charles da Madeireira, segundo publicado no Portal GN e agora está com Bruno Martiniano.

Como fica o PR?

Os irmãos Charles Souza e Arnaldo Souza não conseguiram atingir os seus objetivos que seria o de um deles ser candidato a vice-prefeito: Charles Souza de Bruno Martiniano e Arnaldo Souza de Joaquim Neto, depois que Ozano Brito desistiu. Mas nem aconteceu lá no PTB que escolheu o PSB de Luiz Prequé e nem cá no PSDB que escolheu mais uma vez Danilo Melo.

Resta agora a pergunta: como fica o PR? Os dois vão caminhar juntos? Vão ficar com o mesmo candidato? Cada um vai para um lado? Ainda não sabemos, vamos aguardar.

Charles da Madeireira articula

Consciente de que pode somar mais um ou dois partidos na sua coligação e assim sair do isolamento, o empresário Charles da Madeireira não dorme a dois dias e está numa articulação frenética para ampliar as suas chances de vitória. Está neste momento negociando com Júnior de Paulo e Sheila Cartaxo e também procurando contato com Charles do Atacadão e com Arnaldo Souza.

Essa é uma oportunidade que ele não quer perder de jeito nenhum.

Câmbio
Dolar R$ 3,78
Café Rota 232 ir para o canal
Curta nossa página