Perfil Empresa
Por Tomaz de Aquino
jornalista e artista plástico

Agora vai se misturar ao barro novamente, do pó veio e ao pó retornará. Essa é a sina SEVERINA de Severino Vitalino, toda a sua vida feita no barro e de barro.

Retirando, amassando, modelando, confeccionando, misturando e criando, do mesmo jeito que Deus criou ADÃO, não apreendeu a dar o sopro da vida às suas criações, mas deu vida a sua história e tornou as suas peças conhecidas mundialmente, seguindo os mesmos caminhos feitos pelo seu pai o Mestre Vitalino.

Tanto barro, tantas formas, tanta vida!

78 anos entre o começo e o retorno, entre o nascimento e a morte, entre o caminhar entre os deuses do barro, mesmo sendo de barro, mesmo fazendo gente de barro, mesmo tornando ao barro.

Quando do fim de sua ultima viagem e se misturar ao barro do alto do moura, e voltar a ser barro nas mãos dos outros vitalinos, quando for retirado das beiras dos rios, das minas dos barros onde vai ser depositado e por onde correrá, escorrerá e se acumulará, quando a chuva lavar a sua terra e transportar os seus últimos elementos argilosos, voltará ser barro e do barro será retirado e transformado numa nova peça que ficará exposta e ali a sua alma reviverá silenciosa, como foi silenciosa e calma a sua vida, como é geralmente a vida de todos os mestres.

Agora não é mais morte e vida severino, é vida e morte Vitalina.

Deixo aqui abaixo, o excelente texto do amigo Walmiré Dimeron, membro do Instituto Histórico de Caruaru….bem como as fotos  de seu belo texto:

A VIDA VITALINA DE SEVERINO

Sorriso tímido e discreto, mas cheio de generosidade, paciência e resignação. Nunca mais os visitantes da Casa-Museu serão recebidos com tamanho aconchego.
Enlutada, a arte popular brasileira se despede de um dos seus representantes mais autênticos.
Severino, no exercício do seu ofício, foi um resistente, recusando-se a ceder aos modismos. Tomou para si a responsabilidade de manter viva a memória artística do pai, famoso no mundo inteiro, esmerando-se em reproduzir fielmente os temas criados por ele, para manter, à duras penas, a prole numerosa, repetindo também dessa forma, o mesmo destino do pai.
Durante quase vinte anos fomos companheiros de trabalho, sem nenhuma queixa, aborrecimento e, creio, nenhum ressentimento, muito mais por sua resignação do que por meu excesso de preciosismo em manter intocável cada frágil objeto da casa que nunca deixou de ser a sua e que mantinha com carinho desmedido.
Das inúmeras lembranças, elejo uma como a mais tocante: na abertura da exposição: Arte do barro e o olhar da arte |Vitalino e Verger, no Recife, iniciando as celebrações do Centenário do seu pai, me deparei com ele, sozinho, diante de um grande painel, em silêncio, contemplando a si mesmo, num dos mais ternos registros fotográficos de que tenho notícia: o menino Severino moldando seu boizinho na janela do casebre em que vivia a rude infância e também os melhores anos de sua vida.
Deixei-o quanto pude em sua contemplação solitária e depois me aproximei, indagando o quanto de memórias aquela foto lhe trazia. Seus olhos marejaram e os meu também. Selamos aquele encontro num abraço fraterno e saímos dali meninos, em busca das outras cenas vitalinas que Pierre Verger eternizou.
Nelson Barbalho afirmava que no céu havia um “céuzinho” só de Caruaru. Também acho que existe e, dentro dele, um outro, de barro, onde campeiam bois coloridos, cavalos majestosos e girafas amarelas. Guarnecendo a entrada, dois fabulosos bois do seu pai: um zebu e um nelore.Ali, Severino com seu tabuleiro de bonecos chegará. Vitalino e seus filhos Antonio e Maria serão seus grandes anfitriões, seguidos de Zé Caboclo, Eudócio, Zé Rodrigues, Ernestina, Galdino, Elias Francisco e tantos outros que farão grande celebração.
Escrevo essas mal traçadas contemplando um dos seus bois daqueles “bem fornidos” e “bem queimados” que guardarei com muito carinho.
Meu abraço, meus aplausos.

 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.
Câmbio
Dolar R$ 4,09
Euro R$ 4,57
Café Rota 232 ir para o canal
Vídeo
Vídeo
Curta nossa página