Construtoras oferecem brindes e promoções para atrair clientes

Foto de João Teodoro Cofeci.
DIFERENCIAL CRIATIVO – Oferecer brindes e descontos aos clientes é uma alternativa para fechar a venda. Saem na frente as empresas que forem mais criativas. Alguns empreendimentos têm instalado aquecedores de água nas casas e apartamentos que vão ser entregues. Outras oferecem sonorização ambiente e cooktop elétrico. Além dos brindes, as empresas também têm acordado descontos com os compradores. Porém, vale ressaltar, que os agrados não podem ser condicionados ao pagamento das prestações. Uma vez oferecidos, o cliente deve recebê-los junto com o imóvel adquirido.

Por João Teodoro


APÓS O TRABALHO, O QUE VOCÊ LEVA PARA CASA?

Há uma fala muito recorrente nos ambientes de trabalho que não corresponde à realidade, embora muitos afirmem categoricamente que é possível separar as preocupações da vida pessoal com as da vida profissional. Garantem, inclusive, alguns, que fazem isso com maestria.

A vida  é permeada de mitos que inventamos ou para camuflar algumas situações ou para revelar verdades mais profundas geradas pelas necessidades  de convivência. Mitos, portanto, são recursos que inventamos e os espalhamos no imenso mar das relações humanas.

Nossas cabeças cartesianas, ancestralmente domesticadas nessa cultura que separa as coisas entre boas e ruins, escuras e claras, santas e pecaminosas, dentre outras, sofre consequências na percepção do movimento da Vida porque reduz o movimento existencial a lampejos rotulados…como se tudo fosse caco, estilhaços de uma realidade maior, fragmentação total.

A preocupação central  dos dogmatizadores é induzir os profissionais a filtrar o que trazem de suas casas, suas famílias, conteúdos que ameacem a produtividade. É como se fosse possível ao profissional, antes de adentrar a empresa onde trabalha, pendurar suas preocupações, sonhos e inquietações em algum cabide, deixando – é o que parece – a mente livre para apenas trabalhar. Risível tal mentalidade que, infelizmente, ainda predomina às tulhas pelo mundo corporativo-empresarial.

Quero provocar uma reflexão nos líderes e nos liderados que  leem este breve texto: você já parou para pensar sobre o que leva para sua casa quando sai do seu ambiente de trabalho?

Ao inverter esse “filtro imaginário” fica muito claro que essa divisão entre vida pessoal e profissional não existe. Onde o ser humano vai, vão também suas preocupações, anseios, sonhos, decepções, ideias e sentimentos. Não se separam tais movimentos internos da pessoa.

Agora fica claro o quanto é preciso ter um clima organizacional saudável, construtivo e estimulante…afinal, se o profissional é contaminado por situações desconfortáveis, locais psicologicamente tóxicos para se trabalhar, isso ultrapassa os limites da empresa e afeta os familiares…o inverso também acontece, obviamente. Relações familiares desgastantes e doentias são transportadas para o interior das equipes. Aquilo que a psicologia nomeia como comportamento deslocado aumenta drasticamente. Exemplo: profissional que tem baixa qualidade de relacionamento afetivo-familiar tem menos probabilidade de contribuir com sua equipe de trabalho. Chega à empresa enfraquecido.

Assim, líder, é preciso pensar sobre o que seus liderados levam para suas casas após o horário de trabalho.

Isso aponta para a imperiosa necessidade das empresas criarem vínculos mais fortes com seus colaboradores no sentido de lhes oferecer oportunidades, através de cursos, vídeos, palestras e outros programas de desenvolvimento humano, além dos treinamentos técnicos, para que se redescubram enquanto seres humanos. Seres humanos bem cuidados, respeitados, tem a positiva tendência em ter uma ressonância de afinidade com a empresa e seus líderes.

E, antes de qualquer atitude, líder, pergunto a você: o que você tem levado para casa, em sua cabeça, em seu coração, quando termina seu horário de trabalho ou quando chega o final de semana?

aluisio alvesPor Aluísio Alves: Treinador de Líderes e Equipes. Palestrante. Educador, Psicanalista e Escritor. Doutor em Educação. MBA em Gestão Empresarial e Administração Hospitalar. Gerente e Diretor do HC Uberlândia (2001-2010).aluisioalves17@gmail.com (34) 8419 0227 (Triângulo Mineiro) e (35) 9148 1762 (Sul de Minas) www.yashimek.com.br -*Associado à Yashimek – Coaching, Palestras & Cursos – Atendimentos em todo o Brasil.


Os “3S” três esses do coaching para uma vida melhor e mais satisfatória

Desenvolvimento pessoal ou coletivo com Segurança, Saúde e Satisfação são os requisitos para a construção de um Futuro Gratificante.

Às vezes nos perguntamos o que é Coaching e quem não tem conhecimento, quem não estudou, quem não se preparou para ser uma “Coach” e está preparado para aplicar os conceitos e as técnicas do Coaching, fica imaginando que seja mais uma coisa que surgiu para fazer treinamentos individuais ou coletivos a fim de repassar mais uma fórmula de tirar ideias do papel, mais um processo de dar dicas fantásticas, mais um movimento para ajudar a vencer na carreira.

Este é um engano comum para quem não conhece o coach e era o meu também, até iniciar o MBA em Gestão de Pessoas com coaching e começar a descortinar o mundo fantástico do coaching e começar a entender o que é o coaching como aplicar os conhecimentos que ele contém para ajudar as pessoas e empresas. Segundo Frederick Hudson (1999) “Coaching é a arte de orientar outra pessoa, outras pessoas ou sistemas humanos para um futuro gratificante”.

Será que não é isso que todos nós queremos um Futuro Gratificante? E o que é de fato um futuro gratificante? Para muitos o entendimento do que é a realização do seu sonho, a descoberta do que lhe faz bem, a necessidade de realizar aquilo que gosta e fazer com satisfação é relegada para segundo plano em função das contingências do dia a dia e isso causa uma frustração muito grande e leva muitas à doença, à decepção, a problemas de relacionamento.

Por isso é de fundamental importância descobrir o que se quer, como se quer, quando se quer e o que se precisa para realizar esse querer de forma segura, ética, responsável e acima de tudo humana. Mas, não é o profissional de coach que vai chegar com a fórmula mágica para resolver todos os problemas, pelo contrário o seu papel como o próprio nome diz será apenas o de condutor. O caminho quem vai escolher é aquele que quer mudar, é aquele que quer fazer o que gosta, o que está em seu ser, preso, lá dentro e que precisa ser solto, ou seja o coach vai conduzir você para que você realize o seu sonho, isto é, tome as decisões que vão mudar a sua vida.

Por isso, a palavra coaching significa cocheiro, ou seja, aquele que dirige a carruagem, que leva a pessoa de um lugar para outro mas sem decidir para onde essa pessoa quer ir, apenas conduzindo pelo melhor caminho, simplesmente escolhendo a melhor estrada, trilhando a trilha mais segura para evitar acidentes. O importante é destacar que a decisão vai ser da pessoa, das pessoas ou do sistema humano como bem definiu Peter Druke, falando a respeito do tema, “Coaching é tornar produtivas as forças das pessoas”.

Quando comecei a aplicar os princípios do coach em minhas palestras, em meus treinamentos coletivos ou pessoais e empresariais não tinha a menor ideia de que o coaching era de fato uma arte e uma ciência que levava as pessoas de um lugar para outro de forma segura, sadia e satisfatória que denominei de os três “4 Esses” do coaching. Assim o coaching faz o “Sonho” se realizar na vida das pessoas com Segurança, Saúde e Satisfação.

De que com ele seria possível ajudar as pessoas a se encontrarem, decidirem os seus destinos e serem muito mais felizes do que o que eram até então. Isso começou há mais ou menos uns dez anos quando introduzi nas minhas apresentações a questão humana das empresas e das pessoas que na grande maioria das vezes era esquecida.

Em geral a preocupação só existe com a parte técnica. São dicas para vender mais, para ser mais produtivo, para alcançar o sucesso na carreira e nos relacionamentos, esquecendo completamente o lado humano, sem se preocupar como está a cabeça da pessoa, como está a vida dela, com se fossem máquinas e isso muitas vezes se torna um grande problema, pois para aqueles que não atingem as metas do treinamento acabam sendo demitidos, mudando de profissão e o pior adoecendo, tornando-se pessoas infelizes, sem alegria de viver.

O Coach não é a solução é o caminho e como no filme, Alice no país das maravilhas, é preciso saber o caminho que queremos trilhar, é preciso saber para onde vamos, se não qualquer caminho serve e não se chega a lugar nenhum. Rosa Krausz* uma das maiores especialistas em coac no mundo entende que o coaching é: “O processo de facilitar o desempenho, a aprendizagem e o desenvolvimento da pessoa para que esta alcance os resultados que almeja.” Ainda, segundo Rosa Krausz o coaching se baseia nos seguintes princípios:

– As pessoas sabem mais do imaginam;
– As pessoas possuem recursos que nem sempre são adequadamente utilizados;
– Metas desafiantes e viáveis estimulam as pessoas a darem o melhor de si;
– As pessoas têm capacidade de mudar se assim o desejarem;
– Pessoas comuns são capazes de fazer coisas extraordinárias.

Como o coach é o processo de interligar e fazer interagir duas dimensões do Coachee (cliente) onde a primeira consiste em explorar de forma eficaz o seu potencial para direcioná-lo a uma melhor opção, escolhida por ele próprio coma segunda que a sua decisão de agir em busca dos resultados que deseja, compreendendo a melhor hora para por em prática a sua ação. Da mesma forma que um animal que se comporta quando vai à caça: escolhe a presa, prepara o bote e ataca na hora exata.

O local, a paisagem, o momento, os outros atores envolvidos no “bote” que vai ser dado, assim como o objetivo para aquela caça ser feita são os componentes do cenário de mudança que devem ser levados em consideração para que não se perca energia e assim de desperdice forças e se enfraqueça para um outro ataque. Ataque aqui entendido como o mecanismo de buscar um resultado, considerando os instrumentos de que se dispõe.

Para o professor Edson de Paula um dos mais vem conceituados aplicadores do coach no Brasil as quatro competências básicas do coach são: Comunicar, Apoiar, Planejar e Acompanhar – são o resumo de tudo aquilo que é fundamental para um Coach atuar profissionalmente. Elas definem o nível de alinhamento consciente que um Coach deve demonstrar na sua atuação em um processo de Coaching.

1) COMUNICAR 1.1) Audição ativa: A capacidade específica de ouvir empaticamente, compreendendo a mensagem do coachee sem preconceitos ou julgamentos. 1.2) Questionamento desafiador: É esperar o momento certo para fazer a pergunta certa e que promova uma reflexão profunda no coachee, levando-o à conscientização real do seu estado atual. 1.3) Dar e receber feedbacks: É auxiliar o coachee a fazer uma autoavaliação sobre o processo e também incentivá-lo reconhecendo seu progresso.

2) APOIAR 2.1) Não julgamento: É ser imparcial, anulando suas crenças e valores, deixando de ouvir o seu diálogo interno para ficar totalmente centrado no diálogo do seu Coachee. 2.2) Conscientização: É a capacidade de fazer o coachee estabelecer uma conexão real e muito próxima do seu estado atual, é a forma mais pura de autoconhecimento. 2.3) Responsabilização: É fazer com que o coachee assuma a responsabilidade pelo seu estado atual e também para a mudança necessária para se obter o resultado que tanto almeja no estado desejado.

3) PLANEJAR 3.1) Foco em solução: É fazer o coachee deixar de olhar para o problema e focar, literalmente, na solução, transformando um problema em objetivo concreto a ser trabalhado na sessão de Coaching. 3.2) Desenvolver ações: É a capacidade de auxiliar o Coachee a desenvolver um plano de ações em busca do seu objetivo, com metas bem detalhadas e que sejam tangíveis. 3.3) Ponte ao futuro: É a capacidade de gerar uma visão do futuro que motive a conquista do objetivo, gerando novos aprendizados e autodesenvolvimento.

4) ACOMPANHAR 4.1) Novos aprendizados: É fazer o coachee identificar quais foram os seus resultados e quais são os novos aprendizados obtidos durante as tarefas. 4.2) Gerenciar progresso: É saber mensurar juntamente com seu coachee quais foram as conquistas obtidas, mantendo o foco naquilo que é importante para o alcance do objetivo. 4.3) Melhoria contínua: É a capacidade de promover a reflexão daquilo que pode ser melhorado para o alcance do objetivo

Assim o coach tanto pode ser utilizado por pessoas que querem utilizar as ferramentas para ampliar os seus recursos e as suas técnicas aprimorando a sua profissionalização, bem como por empresários que desejam potencializar as suas empresas e os seus negócios e também por líderes que têm a necessidade de aumentar o desempenho de suas equipes, mas todos indistintamente que precisem de auto conhecimento e auto desenvolvimento através do processo de coaching.

Material consultado:

Revista Coaching Brasil, artigo: O que é Coaching da professora Rosa Krausz*

*Rosa Krausz, Socióloga, Mestre em Ciências Sociais e Doutora pela USP Full Member da Worldwide Association of Business Coaches – WABC Coach Executiva e Empresarial Fundadora e atual Presidente da Associação Brasileira de Coaching Executivo e Empresarial- ABRACEM rokra@terra.com.br.

Apostilas e material do Treinamento de Coaching que fiz já há um bom tempo com o mestre Edson de Paula** e também as aulas atuais de MBA em Coaching que estou fazendo.

**Edson de Paula Comunicólogo com MBA em Marketing Estratégico  e com Formação em Psicoterapia Integrativa da Memória e da Consciência. Master Coach Trainer pela Certified Master Coaching pela Graduate School of Master Coachs do BCI Behavioral Coaching Institute dos EUA.


O teleférico de Gravatá foi para Bonito e agora o Trem foi para Garanhuns

Quando falo que aqui tudo fica nas promessas, algumas pessoas me criticam e acham que é implicância minha. Mas vejam se não tenho razão:

Porque o Salgadão não saiu do papel?
Porque as casas populares de Gravatá não foram construídas?
Porque o Parque de Exposições de Animais não foi implantado?
Porque o Trem Russinhas – Gravatá é só conversa?
Porque a Perimetral não foi concluída?
Porque a PE 087 ficou pelo meio?
Porque o Festival de Inverno foi esquentar outras cidades?
Porque o Festival Cultural e de Negócios desapareceu?
Porque o Festival Gastronômico não acontece mais?
Porque  a Semana Santa virou uma festinha chinfrim?
Porque a requalificação do Cruzeiro só serviu para premiar uma redação?
Porque as trilhas equestres foram para o beleléu?
Porque alguns eventos só servem para umas elites: Inverno com Saúde? Festa do Cavalo?
Porque acabou o Gravatá Tem?
Porque as nossas reservas ecológicas mendigam apoio governamental?
Porque o Natal Luz acabou?
Porque a Festa de Rei perdeu a sua monarquia?

E agora, pergunto:

Porque o teleférico foi para Bonito?
Porque o trem foi para Garanhuns?
Porque a Serra Negra tem se destacado mais do que o Alto do Cruzeiro?

A resposta a essas perguntas é muito simples: Não temos um gravataense a frente da prefeitura! Esse pessoal que vem de fora não tem o menor compromisso com a cidade, com as suas tradições, com a sua história, com o seu povo e com o seu desenvolvimento. Quando olhamos outras cidades vemos que seus prefeitos por mais que briguem são apaixonados e defendem as suas cidades. Como exemplos temos Daniel e Diogo em Chã Grande, Branquinho e Bete de Dael em Bezerros, José Queiroz e Tony gel em Caruaru, Mendonça e Cintra em Belo Jardim, Elias e Aglailson em Vitória, Jânio e Adailton em Amaraji, isso só para ficar nas cidades próximas.

Por isso essa eleição é fundamental para definir os destinos da nossa cidade e entendo que se não houver composição entre Rafael e Darita que a disputa seja então entre os dois. Assim teremos uma dipsuta eleitoral entre dois gravataenses pela primeira na história dessa cidade maravilhosa e tão sofrida nas mãos de aproveitadores.

Agora faço um alerta, os gravatenses podem e devem querer um gravataense à frente da prefeitura. Mas não podem começar a desmerecer os que são de fora e moram nessa cidade, porque esses são importantes, pois votam e também querem votar em candidatos da terra, pois aqui têm o seu patrimônio e todos os seus bens, inclusive afetivos como seus familiares.

Portanto, cuidado com esses termos de expulsão aos forasteiros, para isso não virar uma loucura e fugir do controle.

A discussão e o debate é para que elejamos um candidato filho de Gravatá, nas próximas eleições e é isso que desejamos que aconteça. Vamos nos unir todos num grito só, nativos e não nativos: Tirar Gravatá das mãos dos forasteiros.


Disciplinando os Filhos

Eliezer Andrade

Eliezer Andrade

 “A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da correção a afugentará dela” (Provérbios 22.15).

A palavra “estultícia” ou qualidade de “estulto”, significa “estupidez”.  De modo geral e até por uma questão de educação, é bom afirmar que as pessoas são boas.  As crianças vêm ao mundo como seres de moral pura e imaculada, porém, mais tarde, aprendem com a sociedade e com os próprios pais, comportamentos que levam a mágoas, desgostos e vergonha. O filósofo Jacques Rousseau disse certa vez:  “A sociedade perverte o homem bom saído puro das mãos da natureza”.  Embora as crianças sejam vistas como bênçãos, elas tendem ao mal se forem abandonadas à própria sorte, por isso, exige-se dos pais que disciplinem seus filhos desde cedo e dêem o perfeito exemplo.  As pessoas não mudam com cobranças;  mudam com exemplos.  Não é necessário ensinar ninguém a pecar desde criança porque já existe uma tendência natural no gênero humano para a prática do erro.  Resultado do que aconteceu no Éden.

Sobre a melhor forma de educar a criança, há muitas opiniões como também divergências, todavia, essas discordâncias nunca devem perder a direção mais acertada com relação a promover a criança em adulto de caráter forte e capaz de tomar decisões sábias.  Seja qual for a interpretação da palavra “vara”, tão recomendada na Bíblia, a disciplina acima de tudo deve ser imposta com amor aos filhos.  Diz-se que violência gera violência e justiça extrema é injustiça.  Um sentido de exemplo com “vara” pode ser levado a um perfeito e contínuo ensinamento das lições bíblicas e compete a todas as religiões prestarem sua colaboração.  O castigo imposto por alguma travessura, não apenas corrige como também previne e pode evitar que mais tarde a criança pratique maldades piores.  Correção é prova de amor e zelo e não aplicá-la é uma forma de ódio ou indiferença  (Provérbios 13.24).  Há um provérbio popular que diz:  “Educar não é cortar as asas;  é orientar para o vôo”.

A Bíblia enxerga a paternidade como uma parceria entre pai e mãe na qual ambos se comprometem um com o outro para gerar o bem-estar dos filhos.  Um bom relacionamento entre pais e filhos, é o caminho da prosperidade no lar.  O respeito aos pais são como presentes na fase idosa; e se desde cedo a criança busca o mal e a estultícia, uma força destruidora surgirá na vida dos pais e o sofrimento é para pais e filhos.  A sociedade moderna vem descobrindo a cada dia, que não há substituto para a formação de um lar sólido e estável.  Com pais ausentes, negligentes ou abusivos, os filhos provavelmente não aprendem a lidar com o mundo de forma saudável.  A intenção de Deus é de que pai e mãe participem da educação dos filhos.  Desta forma, a família deve instruir a criança no caminho em que deve andar e esse caminho, é o caminho de Deus e não o caminho do mundo pervertido  (Provérbios 22.6).  Vê-se que não é o caminho natural da criança, sem qualquer orientação, porque só vai conduzi-la à devassidão.  Assim, o cuidado dos pais na criação de filhos como um equilíbrio divino, é o objetivo de Provérbios 22.6.  Os pais fazem a sua parte e Deus faz a Sua.

Durante a instauração de inquéritos policiais, ouvi alguns criminosos culparem os pais por estarem naquela situação; ao mesmo tempo, ouvimos grandes homens afirmarem que agradecem aos pais por terem chegado aonde chegaram.  A responsabilidade é sempre paterna.

Por Eliezer Andrade


Entrevista: Café Político com Rafael Prequé [Vídeo]

Assista a entrevista com Rafael Prequé, realizada pelo jornalista Tomaz de Aquino.


Coluna semanal do Mercado Imobiliário: Por Tomaz de Aquino (15/08)

Leia a coluna semanal deste sábado (15/08), Mercado Imobiliário, escrita pelo jornalista Tomaz de Aquino para o Jornal Vanguarda.

coluna 15.08 vanguarda


Coluna Semanal do Creci-PE

Coluna Creci 14-08-2015


Novo código de processo disciplinar para o corretor imobiliário

CERP Petruas

Presidente do Creci Petrus Mendonça, segundo a direita, sentido horário discutindo o novo código de ética dos corretores imobiliários

O presidente do Creci-PE, Petrus Mendonça informa que ontem foi um dia bastante produtivo para a categoria dos Corretores de Imóveis, em função de que A CERP – Comissão de Elaboração de Resoluções e Projetos do Sistema COFECI-CRECI está trabalhando na elaboração de um novo Código Disciplinar para a categoria.

A Rota 232 vai esperar o retorno do presidente do Creci-PE a Recife, para fazer uma entrevista sobre esse assunto e assim poder informar melhor o corretor imobiliário a respeito desse processo.
Muitos questionamentos estão sendo feitos em nossa página no facebook e precisamos dessas respostas, entre as quais destacamos algumas:
Quais os membros da comissão e de onde são cada um?
Quais as propostas que estão sendo discutidas?
Essas proposições serão levadas à categoria para debates e sugestões?
Qual o prazo para ser concluído essa renovação do código disciplinar?
Como o corretor vai poder participar dessa reforma do código disciplinar dos profissionais de intermediação imobiliária?
Se existe um canal no sistema Cofeci-Creci para o corretor encaminhar sugestões?
Portanto, você corretor imobiliário aguarde que na próxima semana estaremos trazendo novidades a respeito desse assunto.

Unilever anuncia investimento de R$ 600 milhões em Pernambuco, diz Armando Monteiro

Fábrica da Unilever em Garanhuns. Foto: divulgação

A Unilever anunciou nesta quinta-feira (13) a implantação em Pernambuco de um novo complexo fabril de alimentos e um centro de distribuição (hub) para todo o Nordeste. Os investimentos são da ordem de R$ 600 milhões e a fábrica deve iniciar o funcionamento em 2017.

A previsão dada pela Unilever é de que, quando estiverem em funcionamento, o novo complexo fabril e o hub vão gerar mais de 600 empregos diretos e 1.500 indiretos.

As informações foram antecipadas pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto (PTB), após reunião com a presidente Dilma Rousseff (PT) e o presidente mundial da Unilever, Paul Polman. No encontro, os executivos apresentaram um plano de investimentos da empresa para o Brasil e, especificamente, para o Estado.

A Anglo-Holandesa Unilever já atua no Brasil há 86 anos e hoje emprega mais de 13 mil pessoas. Em Pernambuco, a empresa possui quatro fábricas (Ipojuca, Garanhuns, Jaboatão dos Guararapes e Igarassu), produzindo produtos das linhas de alimentos, higiene pessoal e cosméticos, limpeza e sorvetes.

PALMARES – Na campanha política do ano passado, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, na época ainda pré-candidato, ventilou que o município de Palmares, na Mata Sul, poderia sediar a fábrica da Unilever.

Porém, a empresa ainda não divulgou o local onde o empreendimento será instalado.

Na tarde desta quinta, o governo do Estado divulgou que o governador se reúne na próxima quarta-feira (18), na cidade de Aguaí (SP), com os executivos da Unilever para saber detalhes da instalação da fábrica.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico, Thiago Norões, as negociações com a Unilever foram concluídas recentemente e aguardavam a chegada ao Brasil do presidente Paulo Polman para serem anunciadas.

PUBLICADO POR EM NOTÍCIAS Blog do Jamildo